Musicalização infantil: qual é o papel da música na educação das crianças?

Musicalização infantil

Muitas vezes, as disciplinas escolares pecam por introduzir no aluno uma percepção fechada demais sobre os aspectos, como se a matemática ficasse restrita aos números, a gramática às pontuações e assim por diante. É por isso que o papel das artes e da musicalização infantil no processo educativo é importantíssimo.

Em um mundo cada vez mais tecnicista e complexo, educar os jovens e as crianças visando o esboço de uma sensibilidade crítica é essencial. Afinal, a capacidade de ver as situações e conseguir elaborar uma perspectiva mais sensível está se tornando algo raro.

No post de hoje, falaremos sobre o papel da música na educação infantil, seus principais benefícios e como aplicá-la na sua escola. Acompanhe!

A arte como instrumento de transformação

Ensinar técnicas artísticas para crianças não é uma atitude que precisa ter como principal objetivo o surgimento de um novo artista. A ideia de uma educação fomentada pela visão sensível é formar sujeitos que estejam aptos a olhar para a subjetividade que é inerente ao ser humano.

Segundo um artigo escrito por Isaac Roitman na Academia Brasileira de Ciências, “a arte é um importante trabalho educativo, pois procura, através das tendências individuais, amadurecer a formação do gosto, estimular a inteligência e contribuir para a formação da personalidade do indivíduo”.

Por “tendências individuais”, podemos compreender aquilo que é próprio de cada um. Ou seja, a música, bem como a pintura, a literatura e o teatro, nos educa a partir daquilo que sentimos. Mais do que isso, todas elas colaboram para lapidarmos a individualidade em si, mostrando-nos quem realmente somos.

Apurando nossos próprios sentidos, podemos chegar a determinadas conclusões que não são palpáveis se nos valermos apenas da lógica dos fatos ou do senso comum: torna-se possível analisar as situações com profundidade, considerando os mínimos detalhes.

Benefícios trazidos pela musicalização infantil

Além de apurar as percepções sensíveis e individuais, o contato com a musicalidade pode trazer outros ganhos. Separamos, logo abaixo, alguns deles:

Foco

Pode parecer estranho falar em foco quando imaginamos os pequenos dançando e se divertindo aos montes com uma música ligada no mais alto som. Conforme se educam musicalmente, porém, eles tendem a parar o que estão fazendo para se dedicar a sentir o som. Aos poucos, isso se estenderá para outras atividades e é aí que a magia acontece, porque se tornarão mais centrados.

Criatividade

Ao melhorar o raciocínio e a concentração, fica evidente que a sonoridade pode deixar os pequeninos mais criativos, porque eles direcionarão o pensamento produtivo para criar novas coisas.

Raciocinar melhor também deixa o terreno fértil para que se sintam mais livres: eles vão ousar e explorar campos até então ocultos de suas capacidades criativas.

Bagagem cultural

Como um produto artístico tem suas bases alinhadas a determinadas culturas, lidar com diferentes elementos também se mostra como um belo atrativo. Escutar a música erudita produzida na Itália dos anos 30 e depois ouvir um disco dos Beatles certamente causará um espanto positivo nos alunos.

De uma forma íntima e natural, eles entenderão que ambas as coisas são trabalhos musicais associados a contextos muito distintos. E, apesar das distâncias entre uma coisa e outra, compreenderão que é possível cultivar o apreço por ambas as obras e que elas coexistem no mundo, assim como as outras diferenças.

Desta maneira, surge o respeito do jovem por um gosto que não é igual ao seu.

Leitura e memória

Segundo a pesquisadora Nina Kraus, da Northwestern University, a audição faz com que os jovens leiam melhor.

Em uma pesquisa de mais de duas décadas, ela chegou à conclusão de que escutar músicas e prestar atenção aos timbres e tons melhora o desempenho acadêmico e ainda ajuda na memorização.

Desenvolvimento linguístico

Quando cantamos algo, a tendência é criar um laço com as palavras que estão presentes na letra.

O mesmo vale para os pequenos — se estiverem em fase de alfabetização, melhor ainda. Eles desenvolverão a habilidade de pronunciar fonemas e memorizar as divisões silábicas por conta dos ritmos.

Em relação a este benefício, especificamente, vale mostrar para as classes o duo brasileiro Palavra Cantada.

Expressão corporal

Os estímulos recebidos por meio dos sons e do ritmo de cada canção leva a criançada a se soltar e dançar bastante. O gesto contribui imensamente para que o corpo forme um repertório de expressões e movimentos.

Assim como se dá no teatro, as consequências da expressividade corpórea são transmitidas de fora para dentro, fazendo com que os tímidos interajam mais e busquem pela socialização com os colegas.

Coordenação motora

Quando induzimos a criança a segurar um instrumento ou estimulamos para que ela tente tocá-lo, as habilidades motoras finas são automaticamente trabalhadas. Bater palmas ou inventar alguns passos também auxilia muito no aprimoramento das diferentes coordenações.

Como inserir a musicalização infantil na escola

A primeira etapa consiste em deixar de lado a visão de que “isso não serve para nada”. A adesão de instrumentos, caixas de som e demais tecnologias deve ser vista como prioridade por um gestor escolar responsável e comprometido com a qualidade de ensino de sua instituição.

Apostar em uma equipe bem preparada também é fundamental. De nada adianta recorrer a um teórico musical excelente que não tem formação para lidar com crianças. Por outro lado, também seria totalmente inútil investir em um docente ótimo com a educação infantil, mas com pouquíssimo conhecimento a respeito de música.

Nesta hora, não é recomendado fazer adaptações: é preciso buscar pelo profissional ideal, cuja capacitação dê conta de unir as duas frentes teóricas necessárias e permita a ele saber exatamente como unir a percepção artística à pedagogia voltada para os mais novos.

São várias as técnicas que um bom professor pode utilizar:

  • ensinar, ainda que primitivamente, a tocar um instrumento;
  • escutar o ambiente;
  • contar histórias com efeitos sonoros;
  • construir novas instrumentações a partir de objetos inusitados
  • fazer jogos de adivinhação sobre artistas.

​Levando todas estas informações em conta, fica evidente o quanto a musicalização infantil é um aspecto educacional que não pode ficar de fora de instituições que prezam pela qualidade da formação oferecida acima de qualquer coisa.

Gostou do conteúdo e quer dividir essas dicas com as pessoas que você conhece? Compartilhe este post nas suas redes sociais!

Compartilhe agora!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Últimos Artigos

Sua mensagem foi enviada com Sucesso!

Fique tranquilo! A gente vai te responder rapidinho! Muito obrigado :D