A escola é obrigada a fazer matrícula mesmo na inadimplência? Veja aqui!

inadimplência

A inadimplência é um problema sério, pois um número elevado de estudantes com as mensalidades em atraso pode comprometer as finanças da instituição. Em função disso, existem escolas que proíbem o aluno inadimplente de fazer matrícula para o ano seguinte.

Entretanto, a escola deve ter alguns cuidados antes de tomar essa atitude, pois há uma legislação específica sobre esse assunto que determina sob quais condições é permitido esse impedimento.

Saiba mais:
O que é o índice de inadimplência e como ele afeta a gestão escolar?
Notificação de cobrança por e-mail e SMS: entenda como essa prática pode reduzir a inadimplência na sua escola
Inadimplência na escola? Confira 9 dicas para reduzir o problema

 

A seguir, mostramos quais os direitos da escola com relação ao aluno inadimplente, bem como o que ela pode fazer a fim de evitar que a situação chegue a um ponto mais crítico. Acompanhe a leitura!

Saiba o que diz a lei sobre a obrigatoriedade de fazer a matrícula do aluno inadimplente

A forma como as escolas devem tratar a inadimplência está prevista na Lei 9.870, de 23 de novembro de 1999. Segundo disposto no artigo 5º da lei, a instituição não é obrigada a renovar a matrícula de alunos inadimplentes.

No caso de a escola recusar a matrícula, deverá ser em função de débitos referentes ao ano imediatamente anterior e sempre com base apenas em valores que correspondam à mensalidade. Ou seja, se o aluno estiver com a mensalidade em dia, mas tiver pendências, como uniforme ou material escolar, a instituição não poderá recusar a matrícula.          

A lei diz, também, que é proibido pela escola punir a inadimplência com a retenção de documentos dos alunos, deixar de aplicar provas e avaliações ou adotar qualquer tipo de punição em função da falta de pagamento da mensalidade escolar.

Em contrapartida, a escola pode aplicar ao representante legal do aluno as devidas sanções legais e administrativas a partir de 90 dias de inadimplência. Entretanto, essas ações devem ser compatíveis com o Código de Defesa do Consumidor, bem como com os artigos 177 e 1.092 do Código Civil Brasileiro.

Isso significa que se a instituição quiser, por exemplo, incluir o nome do responsável no cadastro restritivo de crédito, deverá fazer um comunicado aos pais, por escrito e com a solicitação do comprovante de recebimento, para informar que essa ação será tomada pela escola.

É importante dizer que, caso a escola tenha feito algum tipo de acordo de pagamento com o responsável legal, não poderá recusar a matrícula.

Outro ponto importante é que a escola não é obrigada a aceitar a matrícula de novos alunos quando o responsável financeiro por eles está negativado. No entanto, ela deve ter cuidado ao apresentar a recusa, de modo que a pessoa não se sinta constrangida de alguma forma.

Veja o que fazer para reduzir a inadimplência

O SPC Brasil e a CNDL — Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas — realizaram uma pesquisa sobre o Cenário da Inadimplência no Brasil, que foi publicada em agosto de 2019.

Uma das constatações da pesquisa é que, entre as contas que estão com o pagamento em atraso, a mensalidade escolar representa 26,2%, considerando o total de entrevistados, além dessa situação ser a segunda colocada no ranking dos compromissos atrasados.

Com base nesses dados, é possível entender a preocupação das escolas em encontrar formas de diminuir essa estatística. Confira, a seguir, algumas ações que têm o propósito de ajudar a diminuir esse número.

Invista na boa comunicação e no relacionamento com os pais

Uma das formas de reduzir o número de inadimplentes é manter uma boa comunicação com os pais. Manter a escola aberta ao diálogo é fundamental para evitar que a situação se agrave.

Uma boa prática é: sempre que você notar o atraso no pagamento, faça algum tipo de contato com os pais para recordá-los da obrigação. Se o lembrete não fizer efeito, faça uma ligação com a finalidade de saber se existe algo que a escola possa fazer para facilitar a quitação do débito.

O ideal é que a instituição comunique aos pais no momento da matrícula qual é o procedimento de cobrança adotado por ela em caso de inadimplência. Dessa forma, os responsáveis terão ciência do que poderá acontecer nessa situação e conseguirão se prevenir para evitar problemas.

Automatize processos

A tecnologia é uma excelente aliada para evitar a inadimplência. Por meio de um software de gestão escolar, por exemplo, é possível automatizar o processo de cobrança. Dessa forma, os pais podem receber os boletos por e-mail ou aplicativo, além de mensagens sobre a aproximação do vencimento.

Com a ajuda do sistema, os alertas de cobrança são facilmente configurados para que sejam enviados conforme a necessidade da escola. 

Além disso, o sistema permite um melhor acompanhamento da situação financeira da escola. Dessa forma, fica mais fácil acompanhar os índices de inadimplência para que seja possível analisar quais ações devem ser tomadas a fim de resolver a questão.

Facilite pagamentos

Por lei, a escola não tem a obrigação de facilitar o pagamento ou dar descontos para a quitação de débitos. No entanto, essa pode ser uma alternativa para evitar tanto o aumento da inadimplência quanto a evasão escolar.

Por isso, é importante estar disponível para negociações. Isso significa oferecer formas para que os pais possam liquidar a dívida de alguma maneira. É preciso avaliar cada caso, para ter certeza de que o atraso na mensalidade tem alguma razão justificável.

Isso porque nem sempre as pessoas atrasam a mensalidade por falta de comprometimento, o que deve ser considerado pela instituição. Nessas situações, vale a pena oferecer alternativas de pagamento, como aceitar a quitação por meio do cartão de crédito ou permitir o parcelamento do valor de forma que a pessoa consiga arcar com o compromisso.

Premie os bons pagadores

Para evitar a inadimplência, nada melhor que oferecer algum tipo de recompensa para quem paga suas contas em dia. A escola pode, por exemplo, oferecer descontos a quem paga a mensalidade na data do vencimento e um bônus ainda maior aos que pagam antecipado.

Outra forma de premiação é utilizar um sistema de pontuação para os bons pagadores. Dessa maneira, de acordo com a pontuação atingida durante o ano, haverá um desconto equivalente na parcela referente à renovação da matrícula escolar, por exemplo.

Por lei, a escola tem todo o direito de não fazer matrícula do aluno inadimplente. No entanto, para isso, deve seguir todas as exigências impostas pelo ordenamento jurídico. Além disso, precisa adotar uma série de medidas a fim de evitar o problema, como manter um bom relacionamento com os pais, automatizar processos e premiar os bons pagadores.

Gostou do nosso artigo sobre como lidar com a inadimplência escolar? Então, assine a nossa newsletter e receba nossas atualizações em seu e-mail!

inadimplência

Compartilhe agora!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Últimos Artigos

Sua mensagem foi enviada com Sucesso!

Fique tranquilo! A gente vai te responder rapidinho! Muito obrigado :D