Educação em tempo integral: um novo desafio para as escolas particulares.

Educação em tempo integral: um novo desafio para as escolas particulares.

A educação em tempo integral foi tema bastante discutido na última eleição presidencial. Com o crescente debate sobre como deve ser a educação no país, uma das ideias é a ampliação do horário em que o aluno permanece na sala de aula. Um dos argumentos é de que a prática pode devolver a relevância da escola na vida do aluno, criando um processo educacional mais completo.

Profissionais da área estão de acordo em um ponto: não se pode mais continuar com uma estrutura escolar estabelecida no século XIX. Isso quer dizer: uma escola não deve passar os conteúdos da mesma maneira para diversos alunos, diferentes entre si. Os desafios para a construção de uma escola em tempo integral são muitos. A seguir, entenda um pouco melhor a questão.

O desafio da relevância

Não raro os jovens se sentem pouco estimulados na escola. O fator mais indicado para que isso aconteça é que o acesso à tecnologia, ampla e veloz, tornou as aulas expositivas obsoletas. Todas as escolas do país, também as particulares, possuem o desafio de tornar sua presença mais relevante na vida do aluno.

Atualmente, a maioria das escolas possui computadores e acesso à internet. No entanto, ainda não desenvolveram uma metodologia que una a tecnologia e o ambiente da escola de forma mais dinâmica. Acontece de alunos pesquisarem assuntos, digitarem seus trabalhos. Porém, a escola deve ir além com o intuito de convencer o aluno de sua relevância.

O custo da educação em tempo integral

Quando comparada às escolas geridas pelo governo, a privada de tempo integral não teve um aumento de matrículas muito impactante. Enquanto o número de alunos para o horário integral cresceu 46,4% nas governamentais, o crescimento foi de 12,5% nas escolas particulares. A pesquisa foi realizada pelo Censo no ano de 2013.

Aponta-se como uma das principais questões o custo alto que acarreta o horário integral nas instituições particulares. A mensalidade pode custar até 80% a mais, de acordo com a Federação Nacional das Escolas Particulares.

Procurar o meio termo para o custo da mensalidade é um desafio e tanto, considerando que as escolas públicas e particulares, no Brasil, possuem realidades bastante distintas. Até pela questão da violência, os governos estão investindo na manutenção do aluno dentro da escola. Já nas particulares, a implementação desse sistema depende mais da demanda, afinal nem sempre os pais estão dispostos ou podem pagar tanto a mais.

O desafio da qualidade x quantidade

A maneira como o sistema de educação em tempo integral será implementada deve ser pensada de forma que não aumente simplesmente o tempo de permanência do aluno na escola, mas que sua educação seja mais completa. Para isso, escolas particulares devem procurar dentro de sua comunidade quais são as demandas dos pais e dos alunos.

Por exemplo, articular atividades que envolvam o bairro pode render atividades extras interessantes, como visita a um parque ou o desenvolvimento de trabalhos ecológicos. Em suma, o tempo integral pode investir no que nem sempre é possível fazer durante meio período: a parte prática. Laboratórios para desenvolvimento de experiências químicas ou um laboratório jornalístico para produção de jornais escolares e revistas. Se o tempo é maior, o resultado na qualidade não será verificado apenas com a implementação de aulas expositivas.

Gostou do artigo sobre educação em tempo integral? Deixe seu comentário sobre a implementação da escola integral!

Compartilhe agora!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Últimos Artigos

Sua mensagem foi enviada com Sucesso!

Fique tranquilo! A gente vai te responder rapidinho! Muito obrigado :D