Timidez do aluno, até que ponto isso é normal?

Cada um de nós nasce com uma determinada personalidade e temperamento. Há pessoas que possuem um certo grau de timidez, extroversão ou algo entre estas duas características. É claro que, a partir do momento em que crescemos, este traço, a princípio dominante, passa a ser apenas mais um fator em nosso comportamento, que torna-se mais complexo do ponto de vista psicológico. Algumas pessoas conseguem deixar de ser muito tímidas, porém outras não.

Mas quando é que a timidez passa a ser não apenas uma característica, e sim um problema?

A timidez constante

Há crianças que são tímidas em quase todas as situações, tendo dificuldade quase sempre ou sempre de se comunicar com qualquer outra pessoa.

A timidez prejudicar sua vida

É preocupante quando se verifica que a timidez da criança interfere em sua habilidade de aprendizagem, na capacidade de estabelecer relacionamentos, de demonstrar seus interesses e de possuir uma autoestima positiva.

A timidez não pode ser vencida

As crianças excessivamente tímidas não conseguem controlar sua timidez, antes sendo reféns dela.

Recusar-se a participar de atividades em grupo

Crianças que evitam atividades nas quais precisam se expor, como peças teatrais, jograis ou danças, e que não conseguem desenvolver atividades em nenhum tipo em grupo.

Não querer ficar sem os pais

Algumas crianças apresentam relutância em ficar sem os pais, mesmo já estando a um tempo considerável na escola.

O principal traço que precisa ser verificado é se a criança apresenta o mesmo comportamento tímido em várias situações diferentes, ou se sente medo ou pânico diante de situações que exijam exposição. Um alto grau de timidez como o descrito acima pode ser indício de ansiedade social, cujos sintomas são:

  • Sentir uma grande ansiedade e nervosismo diante de situações nas quais a criança sinta-se exposta, e tema ser considerada inadequada ou ser ridicularizada por alguém;
  • Quando adolescente ou adulto, temer apresentações de quaisquer tipos, seja no convívio social ou no ambiente profissional;
  • Sentir-se totalmente incapaz de falar em público.
  • Sentir sintomas como pânico, sudorese, tonturas e palpitações ao ter que se expor.

Conclusão

Como podemos perceber, a ansiedade social pode transformar situações corriqueiras em verdadeiros desafios para quem a possui, como apresentar-se a alguém, expor opiniões e ideias, pedir informações. Caso seu aluno apresente estas características, então o ideal é conversar com os pais, a fim de que eles ajudem seu filho no encaminhamento a um psicólogo. A terapia comportamental pode ajudar grandemente ao aluno, no intuito dele perceber que seus medos não são justificáveis e que as situações que ele considera constrangedoras representam um problema apenas em sua mente. Aos poucos e com o auxílio dos pais e do terapeuta, o aluno paulatinamente começa a fazer seus pequenos e muito valiosos progressos, e passa a saber enfrentar as situações antes impossíveis de uma forma natural.

É muito importante salientar que a timidez não é culpa da pessoa que a tem, e que a cada vez que se reitera na frente do aluno para que ele não seja tímido, você e nem os pais estão ajudando. O ideal é incentivá-lo a tomar parte nas atividades, porém nunca forçá-lo, e nem ficar dizendo que ele é muito tímido ou algo parecido. Lembre-se que a abordagem deve ser sempre positiva.

O que você tem feito para auxiliar seus alunos a se sentirem mais a vontade para se expor?

Compartilhe agora!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Últimos Artigos

Sua mensagem foi enviada com Sucesso!

Fique tranquilo! A gente vai te responder rapidinho! Muito obrigado :D